terça-feira, 27 de setembro de 2016

Rezar para vencer a depressão espiritual

Papa: rezar com força para vencer a desolação espiritual

Papa preside missa da manhã na Casa Santa Marta - OSS_ROM
27/09/2016 10:52
Cidade do Vaticano (RV) - O que acontece em nosso coração quando somos tomados por uma ‘desolação espiritual?’ Foi a pergunta feita por Francisco na missa desta manhã na Casa Santa Marta, centralizada no personagem de Jó. O Papa acentuou a importância do silêncio e da oração para vencer os momentos mais sombrios. Neste dia de São Vicente de Paulo, o Papa ofereceu sua missa às Irmãs Vicentinas, as Filhas da Caridade, que trabalham na Casa Santa Marta.  
 
“Jó estava com problemas: havia perdido tudo”. A partir desta leitura, que apresenta Jó despojado de todos os seus bens, inclusive seus filhos, o Papa desenvolveu a homilia. “Jó se sente perdido, mas não maldiz o Senhor”.
Todos, cedo ou tarde, vivemos uma grande desolação espiritual
Jó vive uma grande ‘desolação espiritual’ e desafoga com Deus. É o desabafo de ‘um filho diante de seu pai’. O mesmo o faz o profeta Jeremias, que desabafa com o Senhor, mas sem blasfemar: 
“A desolação espiritual é uma coisa que acontece com todos nós: pode ser mais forte ou mais fraca... mas é uma condição da alma obscura, sem esperança, desconfiada, sem vontade de viver, que não vê a luz no fim do túnel, que tem agitação no coração e nas ideias... A desolação espiritual nos faz sentir como se nossa alma fosse ‘achatada’: quando não consegue, não quer viver: ‘A morte é melhor!’ desabafa Jó. Melhor morrer do que viver assim'. E nós devemos entender quando nosso espírito está neste estado de tristeza geral, quando ficamos quase sem respiro. Acontece com todos nós, e temos que compreender o que se passa em nosso coração”.
Esta, acrescentou o Papa, “é a pergunta que devemos nos por: ‘O que se deve fazer quando vivemos estes momentos escuros, por uma tragédia familiar, por uma doença, por alguma coisa que me leva ‘prá baixo’. Alguns pensam em engolir um comprimido para dormir e tomar distância dos fatos, ou beber ‘dois, três, quatro’ golinhos’... “Isto não ajuda. A liturgia de hoje nos mostra como lidar com a desolação espiritual, quando ficamos mornos, prá baixo, sem esperança”.
Quando nos sentimos perdidos, rezar com insistência
No Salmo responsorial 87 está a resposta: “Chegue a ti a minha prece, Senhor”. É preciso rezar – disse o Papa – rezar com força, como disse Jó: gritar dia e noite até que Deus escute:
“É uma oração de bater na porta, mas com força! “Senhor, eu estou cheio de desventuras. A minha vida está à beira do inferno. Estou entre aqueles que descem à fossa, sou como um homem sem forças’. Quantas vezes nós sentimos assim, sem forças... E esta é a oração.  O Senhor mesmo nos ensina como rezar nestes momentos difíceis. 'Senhor, me lançaste na fossa mais profunda. Pesa sobre mim a Tua cólera. Chegue a Ti a minha oração’. Esta é a oração: assim devemos rezar nos piores momentos, nos momentos mais escuros, mais desolados, mais esmagados, que nos esmagam mesmo. Isto é a rezar com autenticidade. E também desabafar como desabafou Jó com os filhos. Como um filho”.
O Livro de Jó, em seguida, fala do silêncio dos amigos. Diante de uma pessoa que sofre, disse o Papa, “as palavras podem ferir”. O que conta é estar perto, fazer sentir a proximidade, “mas não fazer discursos”.
Silêncio, oração e presença, por isso realmente ajuda aqueles que sofrem
“Quando uma pessoa sofre, quando uma pessoa se encontra na desolação espiritual – continuou o Papa -, você tem que falar o mínimo possível e você tem que ajudar com o silêncio, a proximidade, as carícias, com a sua oração diante do Pai":
“Em primeiro lugar, reconhecer em nós os momentos de desolação espiritual, quando estamos no escuro, sem esperança, e nos perguntar por quê? Em segundo lugar, rezar ao Senhor, como na liturgia de hoje, com este Salmo 87 que nos ensina a rezar, no momento de escuridão. 'Chegue a Ti a minha oração, Senhor'. E em terceiro lugar, quando me aproximo de uma pessoa que sofre, seja por doenças, seja por qualquer sofrimento, mas que está na desolação completa, silêncio; mas silêncio com tanto amor, proximidade, ternura. E não fazer discursos que, depois, não ajudam e, também, lhe fazer mal”.
"Rezemos ao Senhor - concluiu Francisco –, para que nos conceda essas três graças: a graça de reconhecer a desolação espiritual, a graça de rezar quando estivermos submetidos a este estado de desolação espiritual, e também a graça de saber acolher as pessoas que passam por momentos difíceis de tristeza e de desolação espiritual”. (SP)

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Papa: a vaidade é a osteoporose da alma

Papa Francisco \ Missa Santa Marta

Papa Francisco durante a sua homilia na Casa Santa Marta - OSS_ROM
22/09/2016 10:45
Cidade do Vaticano (RV) – Como todas as manhãs, o Papa Francisco celebrou a missa na capela da Casa Santa Marta. Em sua homilia, comentou o Evangelho do dia, que apresenta o rei Herodes inquieto porque, depois de matar João Batista, se sente agora ameaçado por Jesus.
 
Na nossa alma, afirmou o Papa, existe a possibilidade de sentir duas inquietações: uma boa, provocada pelo Espírito Santo para realizar boas ações, e outra má, que nasce da consciência suja. Herodes estava preocupado com o seu pai, Herodes o Grande, depois da visita dos Reis Magos. Os dois resolvem suas inquietações matando, passando sobre “o cadáver das pessoas”:
Avidez, vaidade e orgulho
Essa gente que provocou tanto mal, que fez mal e tem a consciência suja e não pode viver em paz, porque vive numa coceira contínua, numa urticária que não os deixa em paz... Essa gente praticou o mal, mas o mal tem sempre a mesma raiz, todo mal: a avidez, a vaidade e o orgulho. E todos os três não deixam a consciência em paz; todos os três não deixam que a inquietação saudável do Espírito Santo entre, mas levam a viver assim: inquietos, com medo. Avidez, vaidade e orgulho são a raiz de todos os males”.
Osteoporose da alma
A primeira Leitura do dia, extraída do Livro do Eclesiastes, fala da vaidade:
“A vaidade que nos enche. A vaidade que não tem vida longa, porque é como uma bolha de sabão. A vaidade que não nos dá um ganho real. Qual ganho tem o homem por toda a fadiga com a qual ele se preocupa? Ele está ansioso para aparecer, para fingir, pela aparência. Esta é a vaidade. Se queremos dizer simplesmente: "A vaidade é maquiar a própria vida. E isso deixa a alma doente, porque se alguém falsifica a própria vida para aparecer, para fazer de conta, e todas as coisas que faz são para fingir, por vaidade, mas no final o que ganha? A vaidade é como uma osteoporose da alma: os ossos do lado de fora parece bons, mas por dentro estão todos estragados. A vaidade nos leva à fraude”.
Trapaceiros
“Como os trapaceiros marcam as cartas” para vencer e, depois, “essa vitória é falsa, não é verdadeira. Esta é a vaidade: viver para fingir, viver para fazer de conta, viver para aparecer. E isso inquieta a alma". São Bernardo - recordou o Papa - disse uma palavra forte aos vaidosos: "Mas pense naquilo que você vai ser. Você vai ser comida para os vermes. E todo esse maquiar a vida é uma mentira, porque os vermes vão comer você e você não vai ser nada". Mas onde está o poder da vaidade? Levado pelo orgulho em direção do mal, não permite um erro, não permite que se veja um erro, cobrir tudo, tudo deve ser coberto”:
Jesus é o nosso refúgio
“Quantas pessoas conhecemos que parecem ... ‘Mas que boa pessoa! Vai à missa todos os domingos. Faz grandes ofertas à Igreja’. Isto é o que se vê, mas a osteoporose é a corrupção que tem dentro. Há pessoas assim, - mas há pessoas santas, também! – que faz isso. Mas a vaidade é isso: se parece com rosto de pequena imagem e, depois, a sua verdade é outra. E onde está a nossa força e segurança, o nosso refúgio? Lemos no Salmo: 'Senhor, tu tens sido o nosso refúgio de geração em geração". Por quê? E antes do Evangelho recordamos as palavras de Jesus: "Eu sou o caminho, a verdade e a vida". Esta é a verdade, não a maquiagem da vaidade. Que o Senhor nos livre destas três raízes de todo os males: a avidez, a vaidade e o orgulho. Mas sobretudo da vaidade, que nos faz tanto mal”. (BF-SP)

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Papa: "Rezar pela unidade na raiz da Igreja"


Missa matutina na Capela Santa Marta - OSS_ROM
12/09/2016 10:41
Rádio Vaticano (RV) – As divisões destroem a Igreja e o diabo tenta atacar a raiz da unidade, isto é, a celebração eucarística: foi o que disse o Papa celebrando a Missa matutina na Casa Santa Marta na segunda-feira (12/09) – dia em que a Igreja faz memória do Nome de Maria.
 
Divisões e dinheiro, armas do diabo para a destruição
Comentando a carta de São Paulo aos Coríntios, repreendidos pelo Apóstolo por suas brigas, o Papa Francisco reiterou que “o diabo tem duas armas muito potentes para destruir a Igreja: as divisões e o dinheiro”.
E isso ocorreu desde o início: “divisões ideológicas, teológicas, que dilaceravam a Igreja. O diabo semeia ciúmes, ambições, ideias, mas para dividir! E semeia cobiça”.
E assim como acontece depois de uma guerra, “tudo fica destruído. E o diabo vai embora contente. E nós – ingênuos, fazemos o seu jogo”. “As divisões são uma guerra suja – repetiu mais uma vez o Papa – é como um terrorismo”, o das fofocas nas comunidades, da língua que mata: “lança a bomba, destrói e permaneço”:
O diabo vai à raiz da unidade cristã
“E as divisões na Igreja não deixam que o Reino de Deus cresça; não deixam que o Senhor seja visto como Ele é. As divisões mostram esta parte, esta outra parte contra esta e contra alguém … Sempre contra! Não há o óleo da unidade, o bálsamo da unidade. Mas o diabo vai além, não somente na comunidade cristã, vai justamente na raiz da unidade cristã. E isso é o que acontece aqui, na cidade de Corínto, aos Coríntios. Paulo os repreende porque as divisões chegam precisamente à raiz da unidade, isto é, à celebração eucarística”. 
No caso dos Coríntios, são feitas divisões entre ricos e pobres bem durante a celebração. Jesus – sublinha o Papa – “rezou ao Pai pela unidade, mas o diabo tenta destruir até isso”: 
“Eu lhes peço que façam todo o possível para não destruir a Igreja com divisões, sejam elas ideológicas como de cobiça e ambição, ou ciúmes. E principalmente para que rezem e custodiem a fonte, a raiz própria da unidade da Igreja, que é o Corpo de Cristo; e que nós – todos os dias – celebremos o seu sacrifício na Eucaristia”. 
São Paulo fala das divisões entre os Coríntios, 2 mil anos atrás...
“Paulo pode dizê-lo a todos nós, à Igreja de hoje: ‘Irmãos, nisto eu não posso louvá-los porque vocês não se reúnem para o melhor, mas para o pior!’. A Igreja, toda, reunida para o pior, para as divisões: para o pior! Para sujar o Corpo de Cristo! Na celebração eucarística – e o próprio Paulo nos diz, em outra passagem: ‘Quem come e bebe do Corpo e do Sangue de Cristo indignamente, come e bebe a própria condenação’. Peçamos ao Senhor a unidade da Igreja, que não haja divisões; e unidade também na raiz da Igreja, que é precisamente o sacrifício de Cristo, que celebramos todos os dias”.
Estava presente na missa também Dom Arturo Antonio Szymanski Ramírez, arcebispo emérito de San Luis Potosí (México), de 95 anos. No início da homilia, o Papa o mencionou, recordando que participou do Concílio Vaticano II e que hoje ajuda em uma paróquia. O Pontífice o recebeu em audiência no último dia 9 de setembro. 
(BF/CM)

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

18 de setembro - Dia de Oração pela Canonização do Pe. Caffarel

 A Super Região Brasil nos convida a para o dia de Oração pela Canonização do Padre Caffarel, conforme o texto abaixo distribuído às Províncias, Regiões, Setores e, agora nós, para as Equipes de Base.


Queridos,

No próximo dia 18 de setembro faremos o Dia Nacional de Oração pela Canonização do Pe. Caffarel. Nesse ano é um dia mais do que especial, além de ser um domingo, são 20 anos da morte do Pe. Caffarel e 10 anos do início da Causa de Canonização.

Pedimos que incentivem seus Casais Regionais, Setores, e eles - no efeito cascata - seus CRS, a engajar o maior número possível de Equipistas (casais, viúvas/viúvos, SCE’s e AET’s) neste Dia de Oração.

Estamos enviando esta mensagem agora para que todos tenham tempo de divulgar e preparar a sua participação pessoal e também organizar evento(s) da Região/do Setor que faça(m) desse dia um dia especial de intercessão pela canonização do Pe. Caffarel.

Não cansemos de repetir que precisamos pedir ao Pai que apresse o dia em que a Igreja proclamará a santidade da vida do Pe. Caffarel e que não percamos a oportunidade de pedir a intercessão dele. Também não podemos perder a oportunidade de ajudar nossos irmãos de Equipe a conhecerem, aceitarem e participarem desse trabalho de dar à Igreja universal um Servo de Deus que tão intensamente se dedicou a mostrar “a dignidade e a beleza da vocação de cada um” e a ajudar que todos encontrem a alegria de seguir a Cristo, “cada um segundo sua vocação no Espírito”.
Sem querer limitar a iniciativa do que as Regiões e os Setores puderem fazer, eis algumas sugestões do que se poderia realizar/sugerir aos Equipistas:
– rezar em casal e/ou em família a Oração para a Canonização do Pe. Caffarel;
– ao meio-dia, ou às seis da tarde, oferecer a oração do “Angelus”;
– realizar a Missa do Setor/da Região nesse dia;
– colocar esta intenção nas Missas do domingo da sua Paróquia: “Para que a Igreja logo proclame a santidade da vida do Padre Henri Caffarel, falecido há 20 anos, fundador do Movimento das Equipes de Nossa Senhora que tanto bem tem feito aos casais, aos sacerdotes, à Igreja e à sociedade.”
– em Equipe ou em casal, ou mesmo sozinho, rezar o Terço - ou pelo menos uma dezena - nesta intenção, sobretudo aqueles que não tiverem condição de participar de um evento comunitário, mas podemos estar unidos de diversas maneiras, para que ninguém deixe de participar deste Dia Nacional de Oração.
– aproveitar da tecnologia e enviar no domingo, logo cedo, uma mensagem, por whatsapp ou outro meio, aos casais da sua Equipe/do seu Setor/das Equipes que você liga lembrando-os do Dia Nacional de Oração.

Certamente vocês devem ter outras ideias, o que queremos mesmo é que divulguem a fim de nos congregarmos todos para que 18 de setembro seja um Dia de Oração realmente especial.

Contamos com a ajuda de vocês e nos colocamos à disposição para qualquer ajuda que vocês, os CRR’s e os CRS’s precisarem.

É com muito carinho que enviamos nosso abraço e os nossos desejos de que Deus abençoe a cada um de vocês e suas famílias, e que tenham sempre a força e o ânimo para conduzirem a missão à qual foram chamados.

Vicélia e Magalhães.

O texto também pode ser visto no sítio das ENS:
http://www.ens.org.br/novo/causa-de-canonizacao-do-pe-henri-caffarel/novidades/dia-nacional-de-oracao-pela-canonizacao-do-padre-henri-caffarel-veja-as-orientacoes/237

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Francisco: uma comunidade cristã deve estar em paz, testemunhar Cristo e assistir os pobres







2014-04-29 Rádio Vaticana
Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco celebrou esta manhã a Missa na Capela da Casa Marta.  A homilia do Pontífice foi inspirada na leitura extraída do Ato dos Apóstolos, que descreve a primeira comunidade cristã. Francisco se concentrou em três características deste grupo, que era capaz de plena concórdia no seu interior, de testemunhar Cristo fora dela e impedir que nenhum de seus membros sofresse a miséria. 
“(A comunidade) ’tinha um só coração e uma só alma’. A paz. Uma comunidade em paz. Isso significa que entre eles não havia lugar para intrigas, para a inveja, para as calúnias, para a difamação.
  Paz. O perdão: ‘O amor cobria tudo’. Para qualificar uma comunidade cristã, devemos nos questionar como é a atitude dos cristãos. São humildes? Naquela comunidade há brigas pelo poder? Brigas por inveja? Há intrigas? Então não estão no caminho de Jesus Cristo. Esta peculiaridade é tão importante, tão importante, porque o demônio sempre tenta nos dividir. É o pai da divisão”.
Certamente naquela primeira comunidade havia problemas. O Papa citou as “lutas internas, as lutas doutrinais, de poder” que se verificaram depois. Todavia, aquele “momento forte” do início fixou para sempre a essência da comunidade nascida do Espírito. Uma comunidade concorde e, em segundo lugar, uma comunidade de testemunhas da fé, em relação à qual podemos analisar qualquer comunidade de hoje:
“É uma comunidade que testemunha a ressurreição de Jesus Cristo? Esta paróquia, esta comunidade, esta diocese acredita realmente que Jesus Cristo ressuscitou? Ou diz: ‘Sim, ressuscitou’, mas o coração está distante desta força?
Para Francisco, é através do modo como uma comunidade testemunha Jesus que se pode analisar uma comunidade. A terceira característica são “os pobres”. E aqui o Papa inclui outros dois pontos:

“Primeiro: como é a sua atitude ou a atitude desta comunidade com os pobres? Segundo: esta comunidade é pobre? Pobre de coração, pobre de espírito? Ou deposita a sua confiança nas riquezas? No poder? Harmonia, testemunho, pobreza e cuidar dos pobres. E isso é que Jesus explica a Nicodemos: este nascer do Alto. Porque o único que pode fazer isso é o Espírito. Esta é obra do Espírito. É ele quem faz a Igreja. O Espírito faz a unidade, impulsiona ao testemunho. O Espírito nos faz pobres, porque Ele é a riqueza e faz com que cuidemos dos pobres”.

“Que o Espírito Santo – concluiu o Papa Francisco – nos ajude a caminhar sobre esta estrada de renascidos pela força do Batismo”.
(BF)

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

"As fofocas destroem a Igreja", afirma Papa Francisco




◊   Cidade do Vaticano (RV) – O cristão deve vencer a tentação de se envolver na vida dos outros: foi o que disse o Papa Francisco na missa celebrada esta manhã na capela da Casa Santa Marta, na presença de líderes do Caminho Neocatecumenal e de Comunhão e Libertação.

Francisco destacou que fofocas e invejas fazem muito mal à comunidade cristã e que não se pode “dizer somente a metade que nos convém”.

“Que te importa?”: o Papa desenvolveu a sua homilia partindo desta pergunta feita por Jesus a Pedro, que tinha se envolvido na vida de outra pessoa, na vida do discípulo João. Primeiramente, o que perturba é comparação, compararmo-nos com os outros. Com isso, “acabamos na inveja, e a inveja enferruja a comunidade cristã” – disse o Pontífice. Em segundo lugar, o que prejudica são as fofocas:

“Quantas fofocas na Igreja! Quanto falamos, nós os cristãos! A fofoca é fazer-nos mal, ferir um ao outro... É como querer diminuir o outro: ao invés de crescer, faço com que o outro fique menor e eu me sinto maior. Isso não é bom. São como as balas de mel. Depois de muitas, vem a dor de barriga. A fofoca é assim. É doce no início e depois destrói, destrói a alma. As fofocas são destrutivas na Igreja!”
Ao falar mal dos outros, fazemos três coisas: a desinformação, a difamação e a calúnia. “Todas as três são pecado”, disse o Papa. E o próprio Jesus nos indica o caminho, ao dizer a Pedro: O que te importa? Segue-me:

“‘É bela esta palavra de Jesus, tão clara, tão amorosa para nós. A salvação está em seguir Jesus. Peçamos hoje ao Senhor que nos dê esta graça de não nos envolver na vida dos outros e de seguir Jesus e o seu caminho”.

(BF)

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

O Evangelho deve ser anunciado com alegria, não por cristãos abatidos, afirma o Papa


2013-05-31 Rádio Vaticana
Cidade do Vaticano (RV) – Anunciar o Evangelho com a alegria cristã: em síntese, foi o que disse o Papa na homilia desta manhã, durante a Missa celebrada na capela da Casa Santa Marta.
Com Francisco, concelebrou o Arcebispo de Belo Horizonte, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, entre outros.
O Santo Padre se inspirou nas leituras do dia. A primeira, do profeta Sofonias, fala da exclamação “Alegra-te! Grita de alegria, o Senhor está no meio de ti!”. A segunda, extraído do Evangelho, fala de Isabel e do filho que “exulta de alegria” no ventre ao ouvir as palavras de Maria. “Tudo é alegria”, frisou o Papa. Mesmo assim, muitas vezes parece que os cristãos gostam mais de se lamentar, deixando de lado a alegria que nos dá Espírito Santo:
“É justamente o Espírito que nos guia: Ele é o autor da alegria, o Criador da alegria. E esta alegria no Espírito nos dá a verdadeira liberdade cristã. Sem alegria, nós cristãos não podemos nos tornar realmente livres, nos tornamos escravos das nossas tristezas. O grande Paulo VI dizia que não se pode levar avante o Evangelho com cristãos tristes, abatidos e desencorajados. Não se pode. Esta é uma atitude um pouco fúnebre, não? E desta alegria vem o louvor!” 


Louva-se a Deus saindo de si mesmo, “gratuitamente, assim como é gratuita a graça que Ele nos dá”, explica o Papa Francisco, afirmando que a eternidade será isso: louvar a Deus. O que não quer dizer aborrecimento; pelo contrário, beleza e alegria.
encontro internacional ENS

O modelo deste louvor é, mais uma vez, a Mãe de Jesus – a quem a Igreja chama de “causa da nossa alegria” (Causa Nostrae Letitiae). Por quê? Porque nos traz a maior alegria, que é Jesus.
“Peçamos a Nossa Senhora para que, trazendo Jesus, nos dê a graça da alegria, da liberdade da alegria”, concluiu o Pontífice.
(BF)