segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Padre Caffarel e a Santidade





Caros amigos,
Uma equipe está trabalhando com generosidade e dedicação no
apoio à “causa de canonização do Padre Caffarel”. Estamos falando,
portanto, da santidade do Padre Caffarel. Este editorial nos dá a
oportunidade de reler o que o Padre Caffarel escrevia sobre o
sentido da palavra “santidade” (em Orar 15 dias):
“A santidade, quer dizer o que? Não uma definição
abstrata. Mas um convite para vermos os modelos. E entre
esses, São Paulo. Logo percebemos que o santo é um
apaixonado pelo Cristo.

Em todas as páginas das cartas do
Apóstolo, refulge seu amos ardente por aquele que o
conquistou em dura batalha.Com efeito, um dia Cristo lhe
apareceu. (2Cor 15,8), ele o viu (1Cor 9,1). Desde então, sua
vida é radicalmente transformada. “Todas as coisas que para
mim eram vantagens, considero-as, por causa de Cristo, como
lixo, para ganhar a Cristo” (Fl 3,7).
O amor pelo Senhor o atormenta (2Cor 5,4) e tem
certeza de que nada poderá separá-lo dele (Rm 8, 35-37). Não
teme sequer a própria fraqueza; nem ela poderá separá-lo de
seu Mestre: “De bom grado me gloriarei das minhas
fraquezas, para que a força de Cristo habite em mim.(...)
Quando estou fraco é que sou forte” (2Cor 12, 9-10). Sua
união com Cristo chega até a identificação: “Com Cristo, fui
pregado na Cruz. Eu vivo, mas não eu: é Cristo que vive em
mim” (Gl 2, 19-20). Assim é a santidade cristã: um amor, este
amor por Cristo que devora o coração de Paulo.”
O Padre Caffarel era um apaixonado por São Paulo e ele
também nos convidava a imitá-lo.
Ele era impressionado pelo apego
indefectível do Apóstolo ao Cristo. O que o Padre Caffarel gostava
nas Cartas de São Paulo, era o eco que nelas encontrava de suas
profundas convicções: o essencial é buscar a Cristo. Ele quer fazer
de nós uns “sequiosos de Deus”.
“O casal de vocês dará testemunho de Deus de forma ainda
mais explícita se for a união de dois ‘sequiosos de
Deus’,conforme a admirável expressão dos Salmos. Dois
sequiosos cuja inteligência e coração são ávidos de conhecer,
de encontrar Deus. Apaixonados por Deus, impacientes por
estarem unidos a ele”
O que poderíamos acrescentar?




autores
Maria-Carla e Carlo Volpini


Boletim 3- Carta dos Amigos do Pe. Caffarel

Nenhum comentário: